DAMMIT Entrevista: a percepção e talento em ascensão de Any Gabrielly no grupo “Now United” Cover

O cenário de grupos no ramo musical vem crescendo cada vez mais nos dias atuais, e parcela destes grupos acabam destacando-se por todo o seu diferencial, e temos um ótimo exemplo do Now United – que não é apenas um grupo que canta e dança, já que além disso, traz uma mensagem forte e voz à diversidade mundial.

O Now United é um grupo global que nos apresenta 14 jovens cantores e dançarinos de diferentes países. O elenco foi escolhido por Simon Fuller, agente e produtor aclamado no entretenimento que criou o American Idol e trabalhou com o Spice Girls. Qualidade de primeira.

Com coreógrafos como WilldaBeast e Kyle Hanagami e produtor/compositor vencedor do GRAMMYs como RedOne, o Now United abriu asas em setembro de 2017 com um olhar inspirador. Desde então, já fizeram parte da final do ‘The Voice Kids na Rússia’, ‘The Late Late Show with James Corden’ e ‘So You Think You Can Dance’ nos Estados Unidos e muitos outros programas na Áustria, Alemanha, Suécia, Filipinas e China.

  • Os integrantes são, respectivamente: Any Gabrielly (Brasil), Heyoon Jeong (Coréia do Sul), Lamar Morris (Reino Unido), Sina Deinert (Alemanha), Bailey May (Filipinas), Hina Yoshihara (Japão), Joalin Loukamaa (Finlândia), Noah Urrea (Estados Unidos), Diarra Sylla (Senegal), Shivani Paliwal (Índia), Krystian Wang (China), Sabina Hidalgo (México), Josh Beauchamp (Canadá) e Sofya Plotnikova (Rússia).

O nosso querido Brasil é representado pela talentosa Any Gabrielly, de 16 anos, que já tem uma bagagem artística incrível: aos nove anos de idade, Any participou do musical clássico da Broadway “O Rei Leão“, interpretando uma das jovens Nalas. Também, já gravou o seriado “Buuu – Um Chamado para a Aventura“, dublou a versão brasileira da animação “Moana: Um Mar de Aventuras” da Disney fazendo a voz da própria Moana, além de cantar o sucesso “Saber Quem Sou“, da trilha sonora do filme. Atualmente, a jovem faz parte do NU¹, propriamente apresentado.

Confira agora a nossa entrevista exclusiva com a integrante Any Gabrielly, que nos contou sobre sua carreira, Now United e sua percepção de vida:

O quão especial é o projeto Now United;

Any: A coisa mais especial pra mim é a diversidade. Cada um vem de um país diferente, cada um fala uma língua diferente, tem costumes diferentes… E a gente se une para passar essa ideia, é muito incrível. Eu particularmente adoro isso porque eu aprendo muito mais com essas pessoas do que em qualquer livro. Então essa é uma das coisas que eu prezo no Now United.

Representatividade do Brasil no grupo;

Any: É um pouquinho de responsabilidade ser a representante brasileira, porque o Brasil representa muitas coisas. O brasileiro é tão energético, ele é tão feliz o tempo todo, e levar a essência do Brasil pro mundo é bastante responsabilidade. Mas eu estou dando o meu melhor, porque querendo ou não, eu sou brasileira, então eu tenho essa essência em mim. Tudo o que eu preciso fazer é ser eu mesma e estar de bem com a vida assim como brasileiro também está.

Introdução da cultura brasileira aos integrantes do Now United;

Any: Tem muita coisa que eu gostaria de introduzir do Brasil. Eu sempre perguntava pra eles (integrantes do NU¹) no começo: “o que vocês pensam que o Brasil é?” e geralmente eles não têm essa visão que é uma civilização. Pra eles, o Brasil é um monte de mato, como uma floresta e uma avenida ao lado – que passa o Carnaval e pronto. Então eu falei que não, que o Brasil é muito mais do que eles imaginam. O Brasil é um país enorme, cada região do país tem uma cultura super diferente como danças, comidas, costumes, etc. Eu quero introduzir que o Brasil é muito mais do que todos eles conhecem. Introduzir que o Brasil tem muita beleza, as pessoas são totalmente incríveis e receptivas. Eu queria muito apresentar toda a cultura que temos: as danças, as músicas, as comidas… E aí eles ficariam de boca aberta, porque eles não imaginam.

Bagagem e histórico: evolução e visão

Any: Eu sempre acho que a gente pode evoluir mais e mais. E é por isso que eu fui tão precoce em questão de fazer trabalhos grandes rapidamente. Desde pequena quando eu olhei pra mim e falei: “eu quero ser isso. Eu quero cantar e dançar“, eu nunca parei de estudar. E todo minuto que eu tenho da minha vida eu tento saber mais, melhorar em alguma coisa que eu não estou tão boa e dar tudo de mim. Eu faço isso com a alma e me entrego. Não é uma coisa superficial que eu faço pra ser famosa. E isso me deu um conhecimento muito grande porque esses trabalhos todos têm um campo de experiência diferente, então parece que eu já vivi um pouquinho de tudo na minha vida. Eu acabo tendo uma visão muito ampla que eu nunca pensei que teria com 16 anos agora.

A falta do país de origem;

Any: Sinto falta, em primeiro lugar, da minha família. Segundo, a comida brasileira que não dá pra ficar sem e não encontro igual em nenhum lugar. Em terceiro, são as pessoas. A gente (brasileiros) não tem essa frieza como em outros lugares do mundo. Eu tenho certeza que se eu chegasse agora no meu vizinho que eu nunca falei e perguntasse se ele toparia fazer um churrasco, ele aceitaria. Um levaria a picanha, o outro a cerveja e tudo seria uma diversão. Eu sinto falta dessa coisa de festa o tempo todo, que sabemos fazer como ninguém. Todo mundo fica junto, você assiste um futebol e abraça gente que nem conhece, por exemplo. É uma troca de energia entre os humanos. Em outros lugares do mundo parece que não existe essa concepção de comemorarmos juntos, sermos felizes juntos. Eu costumo dizer o Brasil é o coração do mundo, porque a nossa realidade é muito difícil – desde a economia, até várias outras coisas -, mas continuamos sendo felizes e dando o nosso jeito pra seguir a vida contente.

Gravação e produção dos clipes;

Any: Todos eles tiveram uma produção muito diferente. Em ‘Summer In The City‘, todo mundo acordou às duas da manhã pra ficar pronto e ir pro meio do deserto. E isso já foi um choque pra gente. Esse clipe foi uma produção gigantesca com três vans de equipamento, sessão fotográfica… E foi o primeiro clipe, então tinha que ser impactante. E foi mesmo. Marcou todos nós.

O segundo clipe foi ‘What Are We Waiting For?‘, que gravamos na Coréia – e todos nós estávamos muito ansiosos pra conhecer lá, porque a gente vive falando dos grupos de k-pop e até estudamos o gênero, porque nos admira os shows, como do BTS, que são muito bons. A gravação aconteceu em uma sala de karaokê², ou seja, a produção foi mil vezes mais simples pra esse clipe. Tinha uma câmera profissional e foi gravado em apenas um take, então ensaiamos bastante. A sala de karaokê² na Coréia é algo muito clássico de lá, então já conhecemos um pedacinho da cultura deles. Foi super divertido.

O terceiro clipe foi ‘Who Would Think That Love e acho que foi o mais trabalhoso que gravamos, por conta da quantidade da locações que tivemos. Foi usado drones, várias câmeras, e estávamos no México. Esse dia foi muito cansativo. Todos nós acordamos cedo, por volta das três da manhã, fomos para uma cidade bem longe que se chama Puebla³, mas que era colorida e bem mexicana, então passamos o dia comendo tacos e vendo coisas da cultura. O clipe ficou lindo. A gente imagina o México igual no filme da Disney, “Viva – A Vida é Uma Festa“, e é exatamente isso.

E recentemente gravamos o nosso último clipe, ‘All Day‘, que vai sair em breve. Nós fomos em um píer em Seal Beach⁴, na Califórnia. Também acordamos cedo, mas foi bom porque passamos o dia na praia. Adoramos os figurinos, tinham várias lojas de sorvetes, então a gente saía e voltava pra gravar, quando tudo acabou, foi zoeira de novo. Poderia passar 24 horas que não ficaria cansativo.

Relação com os integrantes;

Any: Nós somos uma família, cada um se conhece muito bem. Se acontece algum desentendimento, o que existe em toda família, a gente já resolve na hora, e isso é uma coisa muito boa. Nos respeitamos e entendemos que cada um é de uma cultura diferente, então tentamos sempre não julgar as escolhas que o outro faz. Por exemplo, se alguém escolheu comer algo que você não gosta, você não vai julgá-lo por isso. É a escolha da pessoa. E claro que tem a questão da diversão: geralmente no último dia em que vamos nos separar e cada um voltará para o seu país, escolhemos um quarto de hotel e colocamos música alta, tocamos violão e cantamos juntos, dançamos e nos divertimos muito. Todos nós somos unidos, parece que vamos revezando com quem vamos ficar em um dia ou no outro. Tem semana que eu estou mais próxima da Joalin, na outra da Hina, e assim vai. Todo mundo é muito próximo. Se eu tiver que ficar uma semana no quarto de qualquer pessoa, eu não vou achar ruim, porque eu gosto de todo mundo e todos se respeitam.

O futuro do Now United e seu aprendizado;

Any: Eu espero muito sucesso pro Now United. Além da música e tudo o que nós fazemos, tem uma mensagem muito bonita, que é celebrar a vida e passar para o mundo que a gente pode se unir independente da cor, cabelo, olho… E não importa nada. O que importa é que todos nós somos humanos, feitos de carne, osso e pele.

O grupo tem me ajudado em muita coisa, eu sinto que sou uma pessoa totalmente diferente desde que eu entrei pro time, em todos os aspectos. Mas tem uma coisa principal, que é a do respeito comum e entender cada vez mais as pessoas, sem julgar. Você tem que acreditar em você mesmo e o que você pode, porque todos nós do grupo tivemos algumas recaídas, já que é muito difícil entrar em turnê mundial. Às vezes você está cansado, quer ver a sua família, sente falta da comida do seu país, e aí você fala: “não consigo“, mas então vem a questão de que o Simon Fuller, que é um ícone no mundo da música e arte, me escolheu. Tem que dar um passo pra trás e pensar em tudo o que está acontecendo, pensar que estou fazendo o que eu amo e é muito importante reconhecer.

Também é por isso que meus fãs me chamam de ‘solzinho’. São vários motivos, mas esse que citei é um dos principais. E eu sou o ‘solzinho’ na vida, por causa de tudo isso. Eu aprendi a tentar, porque o não eu já tenho. Pode estar tudo ruim, mas vou estar lá sorrindo e tentando achar o lado bom das coisas. Eu sempre vou acreditar em mim mesma, sempre vou me amar. São coisas que o Now United tem me ensinado.

A diversidade no grupo: sem preconceito, sem xenofobia, sem racismo;

Any: É o que a gente tenta passar pro mundo, que não vale a pena propagar o ódio. Não leva em nada e só machuca as pessoas e a você mesmo. Todos somos irmãos de Terra, todos somos um nesse mundo e ninguém é melhor que ninguém. Nós do grupo temos essa visão de que humano é humano e pronto. Seja de forma política, quando praticam o preconceito, etc. Não adianta propagar o ódio. Vamos propagar o amor tentar achar o que amamos naquela pessoa ao invés de tentar achar algo que não gostamos. E se tem coisas que te incomode, simplesmente ignore, pois não são suas escolhas e sim as da pessoa. A vida seria muito mais leve se houvesse o respeito comum. Essa concepção vale para a política, para os governantes… Porque se eles tivessem essa visão de que somos pessoas iguais a eles, não se achariam melhor que ninguém por estarem sentados em uma cadeira de presidente, governador, que seja. Eles têm que ter esse pensamento de “não é porque aquela pessoa é negra ou escolheu amar uma pessoa do mesmo sexo que eu vou exterminar“. O que você odeia pode ser o que Joãozinho não odeia. E é isso.

PING-PONG GAME: Conhecendo melhor a Any Gabrielly

UM LIVRO: Harry Potter | UMA MÚSICA: Lost in Japan – Shawn Mendes
UM FILME: O Rei do Show | UM ARTISTA: Beyoncé
UMA SÉRIE: Glee | UM MUSICAL: Wicked | FAMÍLIA: Now United
BRASIL: Energético | UNITERS⁵: Amores da minha vida

Continue acompanhando:

Any Gabrielly: Twitter | Instagram | Facebook
Now United: SiteTwitter | Instagram | Facebook | Youtube

  • NU¹: abreviação de Now United;
    Sala de karaokê²: é chamada de Noraebang (em coreano: 노래방), sala privada à prova de som que ficam disponíveis para serem alugadas;
    Puebla³: oficialmente chamada de Heroica Puebla de Zaragoza, fica a duas horas da capital do México, é o coração da culinária do país;
    Seal Beach⁴: é uma cidade – com praia – localizada no estado californiano, no condado de Orange;
    Uniters⁵: como os fãs do grupo Now United são chamados;

Curta o DMT no Facebook e receba notícias diretamente em sua timeline.

Tags

Escrito por
Postado dia 17 de outubro de 2018

Comentários

DAMMIT.com.br © 2012 - 2014    —    Alguns direitos reservados