Bookly

Will & Will: Um nome, um destino

Lançamento muito falado no exterior, Will & Will toca em um assunto delicado.


  • Escrito por

  • Publicado em 09 de julho de 2013

O livro Will & Will foi uma das apostas da editora Galera Record para esse primeiro semestre de 2013.  Aclamado pela crítica no exterior e sendo o primeiro livro com personagens principais gays a entrar na lista do New York Times, a ansiedade brasileira para o lançamento era imensa.

Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra… Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.

“Will & Will” é escrito por John Green e David Levithan. O enredo conta a história de Will Grayson e Will Grayson – dois meninos que compartilham o mesmo nome e num futuro muito próximo vão mudar a vida um do outro.

O livro descreve e te situa muito bem dentro da cabeça desses dois meninos. Os personagens – tanto os Wills, quanto Jane e Tiny -, são ricos, bem desenvolvidos e cativantes. Mesmo com dois protagonistas compartilhando o mesmo nome, você não se sente nem um pouco perdido. Will e Will são extremamente parecidos, tem as mesmas bases dos medos sobre si, aquela falta de confiança quebrada e solitária, dentro de uma cabeça que sofre por falta de pensamentos. Mas ao mesmo tempo, são diferentes em vários pontos, soam diferentes e vivem coisas diferentes. Se tornam distintos e ainda assim tão próximos.

Os capítulos, onde cada um narra a história de um dos personagens principais, foi dividia entre os renomados autores. John Green, conhecido pelos livros “A Culpa é das Estrelas” e “O Teorema Katherine”; David Levithan, autor de “Nick and Norah’s Infinite Playlist”, que até virou um filme com Michael Cera e Kat Dennings.

[quote]Quando as coisas se quebram, não é o ato de quebrar em si que as impede que elas se refaçam. É porque um pedacinho se perde – as duas bordas que restam não se encaixam, mesmo que queiram. A forma inteira mudou.[/quote]

Por se tratar de um assunto bem polêmico (a vida gay nos Estados Unidos), devo logo falar que o livro é um tanto fantasioso quanto a esse assunto, já que o Tiny, o melhor amigo de um dos Will Graysons é  amplamente aceito no ambiente escolar e idolatrado por muitos. Duvido muito que nos tempos atuais isso chegue a acontecer.

A narrativa flui rapidamente. Você vira as páginas sem nem perceber, e quando vê, já terminou o livro. É um caso especial, já que em muitas narrativas divididas em dois autores, o livro pode ficar maçante e tedioso. Green e Levithan balanceiam a história com maestria.

Will & Will é um livro que agrada Gregos e Troianos, e principalmente héteros e homossexuais – como se um dia houve uma regra para separar esses gostos por essa classe sexual. É um livro para se viver, refletir e no final da experiência, sorrir.

Curta nosso e receba notícias direto na sua timeline.


Tags

Comentários